Loading

Pesquisar

Gilberto Kassab: Pequenezas eleitoreiras que nada constroem

Em artigo, o prefeito de São Paulo rebate as críticas da senadora do PT, Marta Suplicy, e destaca os avanços da atual administração nos últimos quatro anos.

24 de abr de 2012

Gilberto Kassab, prefeito de São Paulo e presidente nacional do PSD

Marta Suplicy relutou em entrar na pré-campanha do seu ex-auxiliar financeiro, mas continua desabrida na contundência do ataque que faz a mim, à minha administração e à cidade.

Exemplo disso está na sua coluna do dia 7, neste jornal. A começar pelo título (“Mediocridade agora tem”). É, digamos, deselegante, mas no estilo Marta. É também democrático, reconheço. Ela escreve o que quer, claro, embora o pré-candidato José Serra, em coluna em outro jornal, abstenha-se, por iniciativa própria, de abordar nesse tom assuntos municipais, com autoelogios ou ataques fora do lugar.

Aqui, coloco hoje, com objetividade, os meus argumentos.

Marta Suplicy diz, em linhas gerais, que fez um ótimo governo. Os paulistanos acham o contrário. Em 2004, deram a vitória ao Serra. E, em 2008, foi derrotada por mim. Duas vezes os eleitores disseram que não queriam Marta de volta à prefeitura. E, agora, quem disse a mesma coisa foi seu partido, o PT, que preferiu outro pré-candidato.

Marta alega que naufragou porque não tinha recursos. Isso é no mínimo discutível, pois ela enterrou mais de R$ 700 milhões no projeto Fura-Fila, muito mal gerido. Fizemos andar.

Recursos públicos, quando bem geridos, possibilitam projetos inovadores, como o Cidade Limpa, as Amas (hoje são quase 120), o Mãe Paulistana (quase 700 mil partos, com a atenção que as mães não tinham e agora têm) e o remédio em casa, pelo correio, para milhares de pessoas vítimas de doenças crônicas e outros.

Recursos públicos, geridos com austeridade e competência, permitem, por exemplo, trocar escolas e salas de lata por instalações dignas.

O que também fizemos, aliás, com os CEUs, que tinham falhas de planejamento, funcionários sem pagamento, piscinas sem cloro e obras abandonadas. Serra manteve o nome, melhorou e ampliou o projeto, que hoje é outro. Continuamos, aperfeiçoamos, mais que duplicamos. Isso é respeitar o dinheiro público investido.

Marta – que não justifica suas ausências e seu alheamento aos interesses de São Paulo (cidade e Estado) no Senado – não explica por que esbanjou dinheiro público em coqueiros inadequados, túnel com semáforos e inundação, corredores de ônibus feitos com pintura de faixas no chão que fomos obrigados a refazer.

Não estamos aqui pedindo para a ex-prefeita explicar os cofres públicos vazios, os hospitais não construídos, a saúde destroçada, a falta de remédio nos postos e a fila de credores na porta da prefeitura.

Seria tedioso, enfim, enumerar todos os equívocos da administração do PT. Os paulistanos, vítimas dele, já mostraram duas vezes que têm boa memória.

Não é denegrindo a cidade, minimizando conquistas e avanços, omitindo a valiosa contribuição dos paulistas ao Brasil e tentando rebaixar o trabalho, as qualidades e virtudes de São Paulo e dos paulistanos que Marta Suplicy contribuirá para a discussão dos problemas gigantescos que, como administradores e cidadãos, temos de enfrentar.

O diálogo exige equilíbrio e seriedade. Esta nossa metrópole de 11 milhões de pessoas espera, no mínimo, um debate acima das mágoas e das grosserias eleitoreiras.

Artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo em 24 de abril de 2012.

Informações Partidárias

Notícias