Loading

Pesquisar

Guilherme Afif: ‘Nós’

Em artigo, o presidente do Espaço democrático defende a desoneração de investimento e o destravamento de licenças ambientais.

14 de maio de 2012

Guilherme Afif Domingos, vice-governador de SP e presidente do Espaço Democrático

“O Brasil é feito por nós, está na hora de desatá-los”
Barão de Itararé

Assistimos a uma verdadeira corrida de obstáculos na aprovação de projetos fundamentais para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos, principalmente nas regiões metropolitanas.

Há três exemplos claros:

– As linhas de metrô, fundamentais para retirar veículos das ruas;

– O Rodoanel e o Ferroanel, essenciais para deslocar o tráfego de carga e veículos a diesel;

– E o saneamento básico.

Existem nós que interferem na agilidade do processo de implantação das parcerias público-privadas (PPPs), que são indispensáveis para o financiamento desses projetos.

O primeiro é que o Brasil taxa investimentos com pesados impostos.

Quando falamos em PPPs, que é a associação do setor público com o privado, cada projeto é executado por meio de uma sociedade de propósito específico (SPE).

Essa SPE é considerada uma empresa privada e, como tal, deve pagar impostos sobre todo e qualquer investimento em obras públicas.

Portanto, para tornar a PPP atraente para o setor privado, o governo precisa desonerar os investimentos em projetos de interesse público e social.

O segundo problema são as licenças ambientais.

Advogo que este é um risco que o Estado tem de compartilhar com o setor privado. Como nosso sistema de licenciamento não possui regras claras, o setor público não pode transferir todo o risco para o privado, jogando o parceiro aos leões.

Não é admissível que projetos dessa natureza, com impacto ambiental tão positivo para o cidadão, sejam discutidos por um tempo sem fim e façam exigências descabidas, sem buscar um ponto de equilíbrio entre a qualidade de vida e a preservação do meio ambiente.

A balança pende para um só lado, não por exagero de técnicos sérios e competentes em órgãos públicos ou privados, mas de quem usa o meio ambiente para mascarar outros interesses -econômicos, políticos ou ideológicos.

Não faltam alarmistas para inundar a mídia e pressionar o Ministério Público e o Poder Judiciário com demandas temerárias. E o fato é que muitos desistem de investir por causa da demora na liberação de licenças ambientais.

São fatos que precisamos enfrentar. Cabe a quem foi legitimamente eleito representar o interesse público na concepção e na implementação de projetos que simultaneamente beneficiem a sociedade e mantenham o equilíbrio com o meio ambiente.

Cabe ao governo assumir essa responsabilidade, compartilhando-a com o parceiro do setor privado.

Temos muito para avançar: portos, aeroportos, linhas de metrô, sistema ferroviário, saneamento e inúmeros projetos de infraestrutura aguardam decisões corajosas e inovadoras para viabilizar as PPPs.

É necessário atacar os altos impostos e sedimentar uma visão responsável da política ambiental.

Precisamos desatar esses nós, combinando celeridade com responsabilidade nas decisões relativas a obras imprescindíveis para promover o bem-estar social.

Artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo em 13 de maio de 2012.

Informações Partidárias

Notícias