Loading

Pesquisar

Henrique Meirelles: ‘A grande marcha’

China e Índia reduzem o papel e o tamanho do Estado, se abrem mais ao setor privado e, ao lado do Reino Unido, dão grande lição de política econômica, diz, em artigo, o ex-presidente do BC.

24 de nov de 2013

Henrique Meirelles, coordenador do Conselho de Política Econômica do Espaço Democrático e ex-presidente do Banco Central. 

O enorme avanço da globalização e das comunicações oferece bombardeio incessante de informações que precisam ser colocadas em perspectiva para extrair delas o que é relevante. Olhando a economia mundial hoje, existem três eventos determinantes que, percebidos conjuntamente, ganham enorme relevância.

O primeiro são as abrangentes reformas chinesas recém-anunciadas, que preveem abertura de mercados e retirada gradual do Estado de diversas atividades.

O segundo é a abertura e a modernização do sistema financeiro indiano efetuadas pelo novo presidente do banco central da Índia, Raghuram Rajan. A expectativa geral é que as reformas sejam a partida para um processo mais abrangente de liberalização da economia indiana, com redução de controles e burocracias que emperram o desenvolvimento, apesar do alto potencial baseado na massa de jovens entrando no mercado de trabalho.

O terceiro fato crucial é o surpreendente crescimento da economia do Reino Unido. O governo conservador britânico implementou processo de consolidação fiscal, com corte consistente de despesas e diminuição do tamanho do Estado. Mas, ao contrário de Espanha, Grécia, Irlanda e, de certa maneira, Itália, que adotaram maior responsabilidade fiscal de forma hesitante e após grandes dificuldades de financiamento, as medidas britânicas foram decididas de forma espontânea e soberana.

Londres seguia tendo acesso amplo a crédito, com juros baixos, mas, para horror de muitos, em plena crise, passou a não só liberar ainda mais os mercados como iniciou processo agressivo de redução de despesas, consolidação fiscal e melhora nas condições de financiamento às empresas. Ou seja, o corte de despesas foi logo seguido por reformas produtivas, o que não ocorreu no sul da Europa.

Muitos esperavam que a austeridade trouxesse severa contração à economia britânica, como nos países em crise, mas ocorreu o contrário. As medidas, a partir de determinado momento, geraram mais confiança de consumidores, empresários e investidores na solidez do país. E, ao reduzirem a necessidade de financiamento do Estado, liberaram recursos ao setor privado, que elevou a produtividade.

Em resumo, países de estruturas políticas e econômicas tão diversas quanto Reino Unido, China e Índia caminham na mesma direção: redução do papel e do tamanho do Estado, abertura maior ao setor privado, busca de maior eficiência e produtividade e concentração estatal na regulação de determinados mercados e na provisão de serviços essenciais.

Em meio ao turbilhão diário de notícias, o improvável eixo Pequim-Nova Déli-Londres oferece grande lição de política econômica.

Artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo em 24 de novembro de 2013.

Informações Partidárias

Notícias