Loading

Pesquisar

Henrique Meirelles: ‘Inflação eleitoral’

Pesquisa Datafolha mostra que a população brasileira aprendeu, incorporou e tomou como seu o valor de uma inflação mais baixa e estável, diz, em artigo, o ex-presidente do BC.

13 de abr de 2014

Henrique Meirellescoordenador do Conselho de Política Econômica do Espaço Democrático e ex-presidente do Banco Central. 

O Datafolha vem mostrando o crescimento da preocupação com a alta dos preços no país. De outubro para cá, a parcela dos brasileiros que espera aumento da inflação foi de 54% para 65%, maior patamar da série. A sensibilidade da população a uma inflação mais alta representa mudança histórica e positiva no cenário econômico, cultural e eleitoral.

Uma das razões pelas quais o país teve um dos mais longos períodos de hiperinflação da história recente da humanidade foi por sua tolerância a “um pouco de inflação”. Mudava só o vilão da vez: chuchu, gasolina, tomate…

A inflação não é obra de vilões, mas resultado de desequilíbrios entre a demanda e a oferta de bens e serviços.

Ela aumenta na medida em que há maior disponibilidade de recursos, fruto de políticas monetária e/ou fiscal expansionistas não acompanhadas de uma maior capacidade de produção. E, quanto mais persistente, maior a expectativa de inflação futura, o que cobra ações mais enérgicas e custosas para combatê-la. Esse custo cria resistência de alguns setores à adoção das medidas na dose necessária. Muitas vezes acaba-se combatendo mais os efeitos do que as causas.

A eficácia do controle das expectativas de inflação e da própria inflação passa fundamentalmente pelos resultados obtidos. Com ela na meta, a população tende a achar que ela seguirá ao redor da meta. E a meta de inflação no Brasil é uma só: 4,5% ao ano. O intervalo de tolerância de 2 pontos serve só para acomodar choques de ofertas, como os de alimentos, que são temporários.

A população viu na última década que é possível viver com inflação controlada e aprendeu a identificar melhor os custos da inflação mais alta.

São custos que impactam de forma bem diferente os vários setores da sociedade. Um trabalhador, por exemplo, tem o salário reajustado uma vez ao ano, enquanto comerciantes podem reajustar preços diariamente. A arrecadação de tributos também cresce com a inflação, pois incide sobre preços mais altos. Assim, quanto maior a inflação, maior a perda de poder de compra da maioria da população. É isso o que reflete o Datafolha.

A população e os agentes econômicos aprenderam na década passada que não é destino conviver com inflações elevadas. E que inflação na meta e previsível gera mais emprego, mais investimentos e maior crescimento no médio e longo prazo, pois, entre outros benefícios, eleva a confiança de produtores e consumidores no futuro e preserva o poder de compra.

A inflação, portanto, tem importantes consequências políticas, um fenômeno novo e altamente positivo. A população brasileira aprendeu, incorporou e tomou como seu o valor de uma inflação mais baixa e estável.

Artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo em 13 de abril de 2013.

Informações Partidárias

Notícias