Loading

Pesquisar

Henrique Meirelles: ‘O bom incentivo’

O Brasil tem capacidade para se tornar um dos países mais produtivos do mundo, mas precisa dos incentivos corretos, avalia, em artigo, o ex-presidente do BC. Os exemplos precisam ser positivos e motivadores.

21 de dez de 2015

Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central e colaborador do Espaço Democrático

Aspecto alarmante da dupla crise política e econômica é a queda da produtividade e da qualidade dos serviços do país.

Quando falamos da retomada do crescimento, falamos em como produzir mais com o mesmo número de pessoas. Isso passa pelo ambiente econômico, a estabilidade, o nível de confiança e de investimentos em geral e em tecnologia, mas também por algo mais simples – o nível de produtividade de cada cidadão. Nesta área, a qualidade da educação é fundamental, mas a motivação para fazer um bom trabalho é fator decisivo.

A deterioração do nível de produtividade, da qualidade dos serviços e do empenho em fazer um bom trabalho é pronunciada nos últimos anos e visível a olho nu.

Uma razão evidente está no que a população percebe como mau exemplo dos altos escalões públicos e privados. Os exemplos revelados no noticiário afetam o comportamento e o desempenho das pessoas.

Há muitos anos, eu trouxe ao Brasil um especialista em motivação e produtividade. Na visão dele, o que motiva o americano, por exemplo, a executar um bom trabalho é a competição e a vontade de ganhar mais dinheiro e prestígio, de chegar à frente. Toda a estrutura de trabalho americana é voltada para essa competição pessoal. Para o japonês, a motivação maior vem do trabalho em grupo, que cobra excelência de cada um para que, juntos, ganhem a competição com os outros grupos. Já em países latino-americanos que ele estivera, viu como real motivador o medo da redução salarial e da perda do emprego.

Analisando o Brasil pela primeira vez, identificou o brasileiro como afetivo, gregário por natureza, que pode se motivar com os colegas para trabalhar melhor, mas também trabalhar menos. O grupo pode servir como motivador para um melhor resultado, mas pode ter efeito contrário, funcionando como proteção ao trabalho de pior qualidade.

É muito importante, portanto, criar as motivações corretas e fazer com que o grupo influencie da melhor forma as pessoas, levando-as a produzir mais e melhor. Os resultados podem ser excepcionais.

Em minha experiência no setor público, tivemos excepcional resultado com a percepção pelos servidores da importância do resultado do trabalho para o país, os seus vizinhos e a sua família. Em resumo, o efeito do seu trabalho foi o grande motivador. O mesmo é verdade no setor privado.

O mau exemplo pode reduzir o desempenho pessoal, com graves consequências de longo prazo. Por isso é fundamental que os exemplos possam ser positivos e motivadores.

Muitas experiências e lideranças mostram que é possível transformar o Brasil num dos países mais produtivos do mundo, desde que os incentivos sejam os corretos.

Artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo em 20 de dezembro de 2015.

Informações Partidárias

Notícias