Loading

Pesquisar

Henrique Meirelles: ‘O caminho do crescimento’

Em artigo, ex-presidente do BC mostra, através da experiência internacional, que o caminho do crescimento passa pelo investimento e aumento de produtividade, com diminuição de custos públicos e privados.

14 de jul de 2013

Henrique Meirelles, coordenador do Conselho de Política Econômica do Espaço Democrático e ex-presidente do Banco Central. 

Relatório recente do FMI reduziu as estimativas de crescimento para a economia mundial. Já o banco central dos EUA (Fed) agita os mercados ao sinalizar a redução dos estímulos diante da recuperação gradual da economia dos EUA. Nesse contexto de incertezas globais, com perda de dinamismo das economias emergentes, é importante entender o processo de recuperação norte-americana e europeia.

Nos EUA, houve muita preocupação com o corte automático e generalizado de despesas públicas, mas a economia norte-americana cresce, apesar da contração fiscal.

Estaria crescendo mais no curto prazo sem esse corte, mas ele traz mais segurança em relação à solidez fiscal e ao crescimento do país no futuro, reforçando positivamente as expectativas de empresas e consumidores. Outro aspecto importante a notar é o motivo desse dinamismo econômico, centrado na produtividade. Depois da crise, as empresas norte-americanas entraram em processo radical de corte de despesas, mudanças de processos e busca por maiores produtividade e lucro.

Isso gerou a chamada “jobless recovery” (recuperação sem aumento de emprego), fenômeno negativo em si, mas que permitiu ganhos de produtividade que, por sua vez, tornaram-se as molas propulsoras do crescimento e da recuperação sustentável do emprego. O caminho, portanto, é a busca de produtividade com disciplina fiscal, não só ganhos de atividade de curto prazo.

Olhando para a Europa, vemos que a Alemanha segue trajetória de crescimento moderado (mas sólido) e desemprego baixo, resultado também de ganhos de produtividade e de reformas estruturais pós-reunificação do país.

Já Espanha e Portugal ganham competitividade com política de ajuste duríssima, cuja parte mais divulgada e conhecida no Brasil é o ajuste fiscal. A parte menos conhecida, e a mais importante, é o conjunto de ajustes estruturais visando diminuir custos e produzir mais e melhor.

Os países ibéricos ganharam competitividade e, atualmente, começam a exportar de forma inédita na última década. É importante ressaltar, porém, que ainda há caminho a percorrer: o trabalhador alemão médio produz mais de 40 euros por hora, o espanhol, pouco mais de 30, e o Português, 17.

Portugal e Espanha estão, portanto, no caminho da recuperação – da forma mais dura, via redução dos custos nominais, já que sua moeda, o euro, não pode ser desvalorizada na forma clássica.

Apesar de todas as dificuldades ainda existentes, a experiência internacional hoje indica claramente que o caminho do crescimento chama-se investimento e aumento de produtividade, com diminuição de custos públicos e privados.

Informações Partidárias

Notícias