Loading

Pesquisar

Ruy Castro: Fim do horror

O Rio de Janeiro começa a adotar medidas semelhantes às do projeto Cidade Limpa que, segundo o escritor, deixou São Paulo mais "humana".

08 de maio de 2012

Ruy Castro, jornalista e escritor

Quando São Paulo instituiu o programa Cidade Limpa, em 2007, nós, no Rio, ficamos com inveja. Era a prova de que não estávamos condenados a olhar para nossas cidades e apenas tartamudear, “O horror… O horror…”, como Kurtz, em “Coração das Trevas”, de Joseph Conrad – no caso, o horror provocado pelo lixo visual pespegado aos prédios e lojas, agredindo-nos com a cafonice de seu gigantismo e suas cores. Por que o ser humano insiste em acanalhar o ambiente em que vive?

São Paulo provou que se podia tomar providências – decretar a proibição e varrer aquilo de nossas vistas. A medida do prefeito Gilberto Kassab foi ainda mais corajosa porque se sabia que os estabelecimentos comerciais e as agências de propaganda tentariam vergar a lei, e pelo fato de a cidade não ter uma grande tradição de preservação paisagística e ambiental. Os processos vieram, a prefeitura os enfrentou na Justiça e venceu, e São Paulo ficou mais humana.

No Rio, o prefeito Eduardo Paes acaba de adotar a medida, ainda que não tão radical – limita-se à zona sul e ao centro, e não contempla bancas de jornal, abrigos e ônibus. Mas impõe limites, inclusive para as fachadas das lojas, que não poderão esmagar o transeunte que passa por elas, e promete evaporar das marquises, da lateral e do alto dos edifícios os outdoors que impedem o carioca de contemplar sua paisagem. Já vão tarde.

E por que os botequins do Rio, tão ricos de história e variedade gastronômica, se submeteram às cervejas, cujas cores padronizaram seus letreiros e banalizaram quarteirões inteiros? Pois terão de ser como antes, com suas cores próprias, assim como, um dia, as praias se livrarão da ditadura do vermelho e recuperarão suas barracas coloridas.

No Rio, o horizonte costumava ficar no infinito. Logo voltará a ficar.

Artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo em 7 de maio de 2012.

Informações Partidárias

Notícias