ação

PSD Mulher reafirma compromisso com empoderamento feminino durante a pandemia

Em cada encontro, as participantes acessam um conteúdo cultural que instiga debates sobre empoderamento, luta contra os preconceitos, violência doméstica, entre outros temas.

 

O distanciamento social provocado pela pandemia de Covid-19 não diminuiu o empenho do PSD Mulher na luta pelo empoderamento feminino, que continua sendo incentivado por meio de reuniões virtuais com as militantes. Em cada encontro, as participantes acessam um conteúdo cultural que instiga debates sobre empoderamento, luta contra os preconceitos, busca pela liberdade, violência doméstica, entre outros temas.

Em recente reunião promovida pelo núcleo feminino do partido, foi analisado o episódio da série de documentários espanhola This is Opera dedicado a Carmen, obra escrita em 1875 pelo compositor francês Georges Bizet (1838-1875) e baseada no romance homônimo de Prosper Mérimée (1803-1870). Criada e apresentada pelo pianista e ex-barítono Ramon Gener, a produção televisiva cativa quem já é fã do gênero e também conquista os espectadores que ainda não conhecem o universo operístico, com uma abordagem informal e moderna.

No episódio debatido pelo PSD Mulher (confira o programa aqui), Gener viaja até Paris, terra natal de Bizet, e percorre as ruas de Sevilha, na Espanha, cenário da ópera dividida em quatro atos sobre a cigana que tem sido fonte de inspiração desde o século 19. “É uma personagem independente, uma heroína que vale a pena conhecer, uma mulher que faz as coisas pela própria cabeça e prefere morrer a perder a liberdade”, explica a coordenadora nacional do PSD Mulher, Alda Marco Antonio.

A dirigente iniciou a série de reuniões virtuais do núcleo em março, com um debate sobre a entrevista concedida em 1975 pela filósofa e escritora francesa Simone de Beauvoir (1908-1986), ícone do movimento feminista. Na ocasião, Alda divulgou o lema do PSD Mulher para enfrentar esses tempos de pandemia de Covid-19, em que o distanciamento social não deve significar interrupção das atividades partidárias: “Nenhuma companheira a menos e nenhuma companheira só.”

A pré-candidata a vereadora Gislaine Lambert Brito. “O PSD investe na formação política das mulheres”.

Aprendizado

Entre as militantes que acompanharam as reuniões virtuais, Alda destacou a participação da professora aposentada e pré-candidata a vereadora pelo partido em São Paulo, Gislaine Lambert Brito. “O PSD investe na formação política das mulheres e mostra que elas são capazes de ocupar um espaço também na política”, afirma Gislaine.

Para a professora, os temas abordados em Carmen continuam atuais e a iniciativa forneceu às participantes mais uma oportunidade de aprendizado. “A ópera mostra uma mulher totalmente à frente do seu tempo e a sociedade, por ser machista, acaba não aceitando. A mulher luta para ser ouvida até os dias de hoje.”

Em relação à entrevista de Simone de Beauvoir, o trecho que mais chamou a atenção da pré-candidata foi o que a filósofa fala sobre a influência da cultura machista na sociedade. “Ela diz uma coisa muito interessante: ‘A mulher não nasce mulher, ela se torna mulher. É o meio que faz isso com ela. É por isso que muitas vezes vemos mulheres super machistas. É só através da educação que vamos fazer com que elas acordem para ver que são capazes de ser donas do seu corpo, pessoas autônomas, profissionais, e os homens não são seus donos”, resume Gislaine.

Pré-candidatas

Além das atividades baseadas em conteúdos culturais, o PSD Mulher promoveu no último dia 6 uma reunião virtual com as pré-candidatas do partido à Câmara Municipal de São Paulo. Organizado por Alda Marco Antonio, o encontro também contou com a vice-coordenadora nacional do núcleo feminino, Adriana Flosi, e a secretária nacional e senadora suplente por São Paulo, Ivani Boscolo.