CÂMARA

Marcelo Ramos defende segurança do sistema eleitoral

Para o deputado do PSD, vice-presidente da Câmara, militares que tentam desacreditar as urnas eletrônicas não se confundem com a instituição Forças Armadas

13/05/2022

FacebookWhatsAppTwitter

 

 

O deputado Marcelo Ramos: “Quem jura cumprir a Constituição reconhece que é o Poder Judiciário, por intermédio do TSE, quem executa a eleição”

 

Redação Scriptum com Agência Câmara de Notícias

 

O presidente em exercício da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PSD-AM), defendeu no plenário a segurança e a transparência do sistema eleitoral e disse acreditar no compromisso das Forças Armadas com a Constituição e a democracia. Ramos afirmou que os militares que ocupam cargos no governo e tentam desacreditar as urnas eletrônicas não se confundem com a instituição das Forças Armadas, que sempre demonstrou seu compromisso com o Estado Democrático de Direito.

“Os militares, assim como o presidente da República, juram cumprir a Constituição, e, quem jura, respeita e reconhece que a última palavra sobre a Constituição é do STF. Quem dá a última palavra não são as Forças Armadas, o presidente ou os parlamentares. Quem jura cumprir a Constituição reconhece que é o Poder Judiciário, por intermédio do TSE, quem executa a eleição”, afirmou.

Segundo Ramos, o debate sobre a confiabilidade da urna eletrônica está superado após a Câmara rejeitar a proposta do voto impresso, no ano passado. “Nosso sistema é seguro, confiável e transparente. Isso já foi confirmado por inúmeras eleições”, disse o presidente em exercício.

“Não há dúvidas sérias sobre a confiabilidade das nossas urnas, e as Forças Armadas, desde a redemocratização, sempre apoiaram nosso sistema eleitoral, garantindo a segurança do pleito, dando apoio logístico, mas jamais ousaram intervir nas decisões legítimas da Justiça Eleitoral”, afirmou Ramos.

Marcelo Ramos disse ainda que confia que as Forças Armadas têm compromisso com a democracia e com o desejo do povo brasileiro a ser expresso nas urnas nas eleições de outubro.

FacebookWhatsAppTwitter

  0 Comentários

FacebookWhatsAppTwitter