ESTADOS

Paraná já investiu R$ 1,2 bilhão em energia sustentável

Programa da gestão Ratinho Junior (PSD) já investiu mais de R$ 1 bilhão em programa que estimula a adoção de métodos de produção de energia limpa nas propriedades rurais do Estado

15/09/2023

FacebookWhatsAppTwitter

Ratinho Junior conhece sistema de produção de biogás

 

 

Edição Scriptum com Agência Estadual de Notícias

 

Com a inauguração de mais um sistema para a produção de biogás e biometano, instalado em uma granja na cidade de Toledo, no Oeste do Paraná, o governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) celebrou na sexta-feira (15) os dois anos do RenovaPR, programa desenvolvido pelo governo estadual, em parceria com a iniciativa privada, para estimular projetos de energia sustentável em propriedades rurais.

O programa apoia as famílias de produtores rurais na implantação de um sistema próprio para geração de energia, seja por meio de placas solares para gerar energia elétrica ou pelo processamento de biomassas para a produção de biogás e biometano.

Nesses dois anos, mais de 6,6 mil projetos foram financiados, somando R$ 1,2 bilhão em investimentos, sendo R$ 235 milhões aportados pelo Estado para subsidiar as taxas de juro aos produtores rurais.

Ratinho Junior destacou o sucesso do programa, que fez com que o Paraná passasse a ocupar o segundo lugar no País em geração distribuída no meio rural, ficando atrás apenas de Minas Gerais. “Somos um dos maiores produtores de alimentos do Brasil em quantidade, variedade e com sustentabilidade. O mundo exige uma produção sustentável, e isso se reverte em novos negócios e em renda para os nossos produtores”, disse.

“Era isso que tínhamos em mente quando criamos o RenovaPR, incentivar os agricultores paranaenses a serem autossustentáveis em energia, o que reduz os custos, permite ampliar a produção e agrega valor aos produtos”, disse Ratinho Junior. “O potencial é tão grande que temos aqui no Oeste do Paraná um novo pré-sal. Por isso precisamos organizar essa geração de biogás, junto com os pequenos produtores, e integrar os sistemas para passar a comercializar esse combustível para as cooperativas, as empresas, além de utilizar nos próprios veículos das propriedades”.

De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Estado ganhou 21.461 novas unidades de geração própria de energia nos últimos dois anos. Até o lançamento do programa, em 2021, eram 6.145 unidades, passando para 27.596 até agosto deste ano, um incremento de 250% no período.

O coordenador estadual do RenovaPR, Herlon Goelzer de Almeida, explicou que além de apoiar os agricultores, um dos objetivos do programa é disseminar a geração de energia distribuída no meio rural. “Estamos tendo resultados maravilhosos. A ideia do programa era sensibilizar os produtores rurais do Paraná, das diferentes cadeias produtivas, a fazerem a geração própria de energia. E esses números avançaram muito no Estado nos últimos dois anos”, disse.

“Até então, a grande maioria dos projetos que recebeu a subvenção era de energia solar, mas nosso esforço agora é ampliar a participação do biogás e biometano no programa, principalmente entre os produtores de proteína animal e nas agroindústrias”, explicou Almeida. “Eles produzem resíduos orgânicos que são passíveis de serem tratados em biodigestão, gerando o biogás. É uma riqueza, que tem a vantagem de poder ampliar a produção de animais, além de gerar a própria energia, reduzindo os custos de produção”.

O secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, destacou ainda que essa alternativa também possibilita ampliar a produção suína no Paraná, que é o segundo maior produtor nacional nessa cadeia – foram produzidas 5,9 milhões de unidades ao longo dos seis primeiros meses do ano, recorde para o período. Isso porque ao fazer a destinação correta dos resíduos, os produtores são autorizados a criar um número maior de animais.

“Nós renovamos essa política para ampliar o subsídio aos agricultores que implantarem sistemas de autogeração de energia, bancado 100% dos juros para a agricultura familiar. Já tivemos uma grande adesão de energia solar, e agora queremos crescer com o biogás, porque somos grandes geradores de dejetos orgânicos”, disse Ortigara. “Isso traz um efeito positivo para a nossa agricultura, porque o dejeto tratado é uma fonte importante de matéria orgânica para fertilizar o solo”.

FacebookWhatsAppTwitter

  0 Comentários

FacebookWhatsAppTwitter