ESTADOS

Programa agiliza tratamento de câncer em SP

O secretário de Saúde do Estado, Eleuses Paiva, esteve no Instituto do Câncer para anunciar o projeto, que vai beneficiar cerca de 1.500 pacientes. Tempo de espera por cirurgias chega a oito meses

24/01/2023

FacebookWhatsAppTwitter

 

O governador Tarcísio de Freitas e o secretário Eleuses Paiva

 

Redação Scriptum com Portal do Governo de SP

 

O secretário estadual de Saúde, Eleuses Paiva, e o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, anunciaram nesta terça-feira (24), no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), o início do programa que vai organizar e diminuir as filas para os procedimentos cirúrgicos oncológicos. Atualmente, o Estado tem 1.536 pessoas aguardando por cirurgias e o tempo de espera dos pacientes chega a oito meses. “Não podemos admitir que pessoas com câncer aguardem tanto tempo para realizar o tratamento necessário. Nossa meta é tirar essas mais de 1,5 mil pessoas da fila logo nos 100 primeiros dias de governo”, afirmou o secretário.

Para ampliar o atendimento, serão abertas três salas cirúrgicas e 45 novos leitos de internação no Icesp, sendo 15 deles de Unidade de Terapia Intensiva. Ligada à secretaria estadual de Saúde, a unidade integra o Complexo do Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina da USP.

Durante o evento no instituto, o governador também anunciou a ativação de outros 393 leitos ociosos do complexo, sendo 349 de internação e 44 de UTI, que serão reservados a diversas especialidades. “Existem, hoje, de 7 a 9 mil leitos fechados no Estado de São Paulo, isso não é razoável, temos de apostar na reabertura desses leitos. É preciso aumentar a nossa disponibilidade e as vagas. Estamos aqui celebrando o início desse movimento. Temos excelência, os melhores profissionais do Brasil e um corpo clínico maravilhoso. A gente pode oferecer ao paciente do SUS o que ele teria em qualquer hospital privado do País. O SUS nos orgulha muito, é um patrimônio que mostrou seu valor quando submetido ao estresse da pandemia. São vidas, são pessoas que vão ser tratadas e terão mais esperança”, destacou Tarcísio.

FacebookWhatsAppTwitter

  0 Comentários

FacebookWhatsAppTwitter