SAÚDE

Projeto de Nereu Crispim amplia recursos para o SUS

Deputado do PSD gaúcho apresenta na Câmara proposta para evitar a eventual falência das santas casas e hospitais filantrópicos, responsáveis por mais de 50% de todos os atendimentos do Sistema

08/09/2022

FacebookWhatsAppTwitter

O deputado Nereu Crispim

 

Redação Scriptum com Agência Câmara

 

A eventual falência das santas casas e hospitais filantrópicos, responsáveis por mais de 50% de todos os atendimentos do SUS (Sistema Único de Saúde), “levaria ao colapso do sistema de saúde no País”. O alerta é do deputado federal Nereu Crispim (PSD-RS), autor de projeto em tramitação na Câmara que estabelece normas gerais para o financiamento tripartite e para a revisão periódica dos valores destinados a ações e serviços de saúde de média e alta complexidade no âmbito do SUS.

De acordo com o parlamentar do PSD gaúcho, essa proposta é um reconhecimento à atuação das santas casas e dos hospitais filantrópicos. Ele lembra que, “desde a implantação do SUS, hospitais e entidades filantrópicos vêm sofrendo progressivo endividamento, o que afeta sobremaneira a prestação dos serviços de saúde”, observou ainda Nereu Crispim. “Atrelados à saúde pública por força constitucional, dependem da vontade política para aumentar os recursos”, disse.

Conforme o texto, as medidas visam garantir contratos e convênios da União com pessoas jurídicas de direito privado sem fins lucrativos participantes do SUS – em geral, hospitais e entidades beneficentes, filantrópicas e universitárias. Estados, Distrito Federal e municípios poderão ainda elaborar normas complementares.

Como fonte de recursos para revisão periódica da tabela do SUS, a proposta prevê a revogação de renúncias fiscais sobre exploração e produção de petróleo (Lei 13.586/17) e em investimentos de brasileiros no exterior (Lei 9.481/97), a fim de assegurar o repasse de, pelo menos, R$ 10 bilhões anuais extras para o Fundo Nacional de Saúde (FNS).

O projeto de lei institui ainda linha de crédito oficial para hospitais e entidades; prevê desonerações e anistias tributárias; cria fundo garantidor de recursos para cobrir passivos, déficits e investimentos do setor; e sugere o repasse ao FNS do produto das indenizações por danos coletivos resultantes de ações civis públicas.

Segundo a Confederação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos (CMB), desde o Plano Real, em 1994, a tabela do SUS foi corrigida em quase 94%, e a inflação (INPC) superou 636%. “São R$ 10,9 bilhões por ano de desequilíbrio financeiro”, disse o presidente da CMB, Mirocles Véras, em recente artigo veiculado na mídia.

Tramitação

O projeto será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois seguirá para o Plenário.

FacebookWhatsAppTwitter

  0 Comentários

FacebookWhatsAppTwitter