Loading

Pesquisar

AMBIENTE

‘Sustentabilidade começa nas cidades’, alerta Greca

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PSD), defende em Washington, em evento do BID, a importância de os municípios se envolverem no esforço para tornar o mundo mais sustentável

26 de jan de 2024

O prefeito Rafael Greca e a ex-ministra dos Transportes da Colômbia, Ângela Maria Orozco

Edição Scriptum com Prefeitura de Curitiba

A importância de os municípios se envolverem no esforço para tornar o mundo mais sustentável foi defendida na quinta-feira (25), em Washington, pelo prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PSD). Ele participou do seminário do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Presente e Futuro dos Transportes, no painel Mobilidade Urbana, ao lado da ex-ministra dos Transportes da Colômbia, Ângela Maria Orozco. Logo na abertura de sua apresentação, Greca afirmou a necessidade de todos, unidos, ampliarmos os esforços por um mundo mais sustentável. “Neste mundo com duas guerras tão terríveis, nós precisamos desenvolver um sentimento de sustentabilidade, em busca de nossas próprias raízes. Não há planeta B! O mundo precisa de sustentabilidade”, alertou Greca, bastante aplaudido.

O prefeito também defendeu que os governos estaduais e nacional precisam compreender que as ações de sustentabilidade que combatem as mudanças climáticas só acontecem nos municípios, que é onde podem se tornar realidade. Ele também discorreu sobre a origem da cultura da sustentabilidade de Curitiba, que nasceu na década de 1970 e foi crescendo ao longo dos anos.

“Em Curitiba nós aprendemos desde 1971, com o então prefeito Jaime Lerner, ao qual eu sucedi, que a inovação só vale quando se transforma em processo social. É preciso criar uma cultura de inovação. A população precisa compreender a transformação urbana e usufruir e ter a transformação econômica e chegar à transformação cultural”, disse o prefeito.

Transporte

Greca ainda narrou a experiência de colocar em operação a linha 250 do transporte coletivo de Curitiba na semana passada, o Ligeirão Norte-Sul, que liga o Santa Cândida ao Pinheirinho, com a redução de tempo de deslocamento de 15 minutos, 15% menos do que as linhas paradoras. “Acabamos de entregar para a população a nova linha do BRT Norte-Sul, que percorre 38 km em apenas 50 minutos. Eu recebi uma mensagem de um usuário do sistema elogiando a nova linha, o que mostra que nós acertamos”, disse Greca.

Além dessa intervenção, a cidade se prepara para mudar a matriz do transporte coletivo, com a implantação de ônibus elétricos no sistema. O plano de eletromobilidade também integra o Programa de Mobilidade Sustentável de Curitiba, que tem como âncora os projetos das linhas Inter 2, Interbairros II e Leste-Oeste, com financiamentos do BID e do New Development Bank (NDB).

Sem emissão de CO2 e ruídos, o ônibus elétrico é considerado o futuro da mobilidade nas grandes cidades e é uma das principais agendas do município para os próximos anos, dentro do compromisso de reduzir a emissão de poluentes. A meta é que 30% da frota de ônibus de Curitiba seja de emissão zero até 2030, percentual que deve chegar a 100% até 2050.

Os primeiros ônibus elétricos devem começar a rodar, no entanto, a partir de junho de 2024. Serão investidos R$200 milhões na compra de 70 ônibus que devem ser integrados à frota do município.

Informações Partidárias

Notícias