Loading

Pesquisar

MULHERES

Três em cada 10 brasileiras já sofreram violência

O número é de pesquisa do DataSenado, que ouviu 21 mil mulheres de todo o País. Para a senadora Zenaide Maia (PSD-RN), divulgação ajuda a orientar medidas para enfrentar problemas

21 de nov de 2023

Resultados da pesquisa foram divulgados pela procuradora da Mulher do Senado, senadora Zenaide Maia (PSD-RN).

Edição Scriptum com Agência Senado

Com base nas respostas de mais de 21 mil mulheres de todo o País, o Instituto DataSenado concluiu que três em cada dez brasileiras já foram vítimas de violência doméstica. A 10ª Pesquisa Nacional de Violência contra a Mulher, feita em parceria com o Observatório da Mulher contra a Violência (OMV), teve seus resultados publicados na terça-feira (21) pela procuradora da Mulher do Senado, senadora Zenaide Maia (PSD-RN).

Denominada anteriormente “Pesquisa violência doméstica e familiar contra a mulher”, a aferição é realizada a cada dois anos, com mulheres de todo o Brasil. Trata-se da série histórica mais antiga sobre a temática do país, tendo sido criada em 2005 para dar subsídio ao Parlamento para a elaboração da Lei Maria da Penha.

Desde então, foram entrevistadas mais de 34 mil mulheres, em 10 anos de pesquisa.

Em 2023, foram entrevistadas mais de 21 mil mulheres, o que tornou o estudo o maior sobre violência doméstica já realizado no Brasil, apenas com mulheres. Para a procuradora Zenaide Maia, a divulgação do estudo é um marco que ajuda a esclarecer avanços obtidos pelo país nessa temática e podem orientar medidas a serem tomadas para o enfrentamento à violência contra as mulheres. De acordo com a senadora, os resultados podem ser analisados agora em nível estadual.

A série histórica do estudo apresenta estabilidade nos números da violência estrutural contra a mulher, como afirmou à Agência Senado a chefe do Serviço de Pesquisa e Análise do DataSenado, Isabela Lima. De acordo com ela, a manutenção dos indicadores demonstra que o assunto merece atenção de toda a sociedade, principalmente para conscientizar de que a agressão não é uma conduta natural.

“É um problema de todos, sobre o qual temos que nos mobilizar e entender que não é normal uma mulher ser agredida dentro da própria casa, em meio à própria família. A pesquisa serve justamente para trazer o assunto à tona, motivar a discussão, a análise dos dados porque, quanto mais se discute, mais as mulheres percebem que o que elas estão passando não é normal e é fundamental parar o ciclo da violência”, explicou.

Estatísticas

O levantamento aponta que quanto menor a renda, maior a chance de a mulher sofrer violência doméstica. Mais de 25,4 milhões de brasileiras já sofreram violência doméstica provocada por homem em algum momento da vida, segundo o DataSenado. Desse total, 22% declararam que algum desses episódios de violência ocorreu nos últimos 12 meses.

A pesquisa apontou que a violência psicológica é a mais recorrente (89%), seguida pela moral (77%), pela física (76%), pela patrimonial (34%) e pela sexual (25%). As mulheres com menor renda são as que mais sofrem violência física, diz o estudo. Cerca de metade das agredidas (52%) sofreram violência praticada pelo marido ou companheiro, e 15%, pelo ex-marido, ex-namorado ou ex-companheiro. De acordo com o documento, a maior parte das vítimas tem conseguido terminar casamentos abusivos. Também é majoritária a parcela de vítimas que estão saindo de namoros violentos.

Do total de entrevistadas, 48% disseram ter havido descumprimento de medidas protetivas de urgência. A pesquisa aponta que cada vez mais mulheres procuram ajuda, mas alerta para o fato de que a falta de delegacias da mulher em muitas cidades dificulta o acesso ao serviço. Em cidades com menos de 50 mil habitantes, conforme o levantamento, é maior o percentual de mulheres que declaram ter denunciado em delegacias comuns.

Jovens

Outro dado da pesquisa aponta que a maior parte das vítimas vivencia a primeira agressão ainda muito jovem: entre 19 a 24 anos, como relataram 22% das entrevistadas. Também é alto o número de ocorrências de insultos e ameaças registrados nos últimos 12 meses. Das mulheres ouvidas pelo DataSenado, 17% afirmaram ter sofrido denunciação caluniosa nesse período. Entre as mulheres que não afirmam terem sofrido violência no último ano, 29% disseram ‘sim’ a pelo menos uma das questões listadas no levantamento.

Informações Partidárias

Notícias