VIOLÊNCIA

PSD propõe campanha contra agressões a mulheres

Aprovado por unanimidade na Câmara Municipal de Jundiaí, projeto do vereador Edicarlos Vieira (PSD) prevê ações de conscientização e incentivo à denúncia de casos

13/09/2017

FacebookWhatsAppTwitter

 

Jundiaí, uma das grandes cidades do interior paulista, com mais de 400 mil habitantes, poderá ter uma campanha educativa para coibir agressões a mulheres que utilizam o transporte público no município. Essa é a proposta que o vereador Edicarlos Vieira (PSD) conseguiu aprovar na Câmara Municipal, por unanimidade.

O Projeto de Lei de sua autoria prevê ações de conscientização sobre a violência praticada contra as mulheres em ônibus e trens. Votada no último dia 5, a ideia gerou grande repercussão em função de casos recentes de violência, entre eles o do homem preso duas vezes em menos de uma semana por molestar mulheres dentro de ônibus na região da Avenida Paulista, em São Paulo.

O projeto propõe a realização da campanha O Transporte é Público, o Corpo da Mulher, Não!, que visa orientar as vítimas sobre como agir em episódios desse tipo e mostrar à sociedade como as denúncias podem coibir casos futuros. Ainda de acordo com o projeto, as empresas prestadoras de transporte coletivo devem colocar cartazes em ônibus, paradas e terminais urbanos com mensagens da campanha.

Segundo o 9º Anuário Brasileiro da Segurança Pública, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em 2016, o País registrou um caso de estupro a cada 11 minutos. Somente no ano passado, 47,6 mil mulheres foram estupradas. Como apenas 30 a 35% dos casos são registrados, é possível que a relação seja de um estupro a cada minuto.

Ligue 180

Em 2017, o Ligue 180 — canal direto de orientação sobre direitos e serviços públicos para a população feminina em todo o país — completa 12 anos. Desde que o serviço foi criado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres, da Presidência da República, já foram realizados 4.488.644 atendimentos, entre orientações e denúncias de casos de diversas formas de violência.

FacebookWhatsAppTwitter

COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário!




*

FacebookWhatsAppTwitter