MUNICÍPIOS

Rafael Greca destaca inovação na área pedagógica

O prefeito da capital do Paraná recebeu ex-aluna de escola pública da cidade que desenvolveu jogos pedagógicos para ajudar na alfabetização de crianças da Educação Infantil e Fundamental

01/04/2024

FacebookWhatsAppTwitter

O prefeito Rafael Greca conhece jogos pedagógicos desenvolvidos pela estudante Kevellyn

 

 

Edição Scriptum com Prefeitura de Curitiba

 

Inovação desenvolvida por uma ex-aluna de escola pública de Curitiba, um conjunto de jogos pedagógicos criado pela jovem Kevellyn Amância foi apresentado na segunda-feira (1) ao prefeito da capital do Paraná, Rafael Greca (PSD). Os jogos são voltados à alfabetização de crianças da Educação Infantil e do Ensino Fundamental. Acompanhada do vereador Osias Moraes, Kevellyn, que foi estudante da Escola Municipal Margarida Orso Dalagassa (Tatuquara), foi recebida no gabinete do prefeito na sede do Executivo municipal.

São jogos da memória, caça-rimas, dominó, bingo, entre outros. “Este material me encantou, e agora irá para análise pedagógica na Secretaria da Educação. Este é um exemplo da educação que nossos curitibinhas têm na rede municipal de ensino. O jogo criado pela nossa curitibinha Kevellyn poderá ser incorporado ao acervo da cidade educadora”, comentou o prefeito, destacando que o zelo com a educação dos 140 mil crianças envolve infraestrutura, inovação e materiais e ações pedagógicas, além da formação profissional para os 17 mil servidores.

Desde 2017, foram colocados em funcionamento 27 novos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs), totalizando 232 em funcionamento, e outros seis devem ser entregues ainda este ano.

Já o número de escolas em oferta do tempo integral subiu para 169 este ano. A expansão é feita de maneira gradativa desde 2017, quando a rede somava 86 unidades com integral, e depende da estrutura das unidades e da demanda da comunidade.

Atualmente são atendidos 55 mil estudantes em período integral, em turmas da educação infantil e do Ensino Fundamental. Há sete anos, eram 42 mil. A meta é encerrar 2024 com todas as 186 escolas municipais com essa oferta em pelo menos parte das turmas ou nas Unidades de Educação integral (UEIs) próximas.

A secretária municipal de Educação, Maria Sílvia Bacila, destacou o Referencial de Alfabetização, material próprio lançado pela Secretaria no ano passado. O zelo se reflete nos índices da educação e coloca a capital do Paraná numa posição de destaque no cenário nacional.

Este ano, assim como no ano passado e em 2022, a capital do Paraná permaneceu no topo do ranking nacional como a capital com menor taxa de distorção idade-série na rede municipal pública de ensino. Este ano, Curitiba fechou com percentual de 2,3%.

A segunda colocada, Palmas (Tocantins), registrou 4,2%. A terceira, Cuiabá (Mato Grosso), 5,1%. Os dados são do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), ligado ao Ministério da Educação.

A taxa é o indicador do governo federal que permite acompanhar o percentual de estudantes com idade acima da esperada para o ano em que estão matriculados. O índice é produzido a partir dos dados do censo escolar. Curitiba também se destacou no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) dos anos iniciais do Ensino Fundamental. No ano passado, a capital do Paraná subiu da quarta para a terceira colocação entre as capitais no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) dos anos iniciais do Fundamental. O Ideb é o principal indicador da qualidade do ensino no país.

FacebookWhatsAppTwitter

  0 Comentários

FacebookWhatsAppTwitter